Z Arquitetura.

Aeroporto de São Tomé, Africa
-----------------------------------------------------------------------
Localização: São Tomé e Príncipe, Africa2011
Tipologia: Aeroporto
Status: Estudo Preliminar
-----------------------------------------------------------------------
Arquiteto(s): Múcio Jucá.
-----------------------------------------------------------------------

Projeto e Masterplan desenvolvido sob contrato com a ATP ENGENHARIA.

O projeto arquitetônico do novo terminal de passageiros do Aeroporto da Ilha de São Tomé teve como premissa criar uma edificação de fluxos simplificados para o atendimento de passageiros e bagagens. O terminal deverá atender, nesta primeira etapa,à duas aeronaves simultaneamente servidas por pontes de embarque, além de outras em posições remotas.

O sistema viário de acesso ao terminal de passageiros passará por uma reformulação para facilitar a chegada ao edifício e áreas adjacentes. Um dos acessos ao estacionamento será de forma direta, sem necessidade de passar pelo meio-fio de embarque e desembarque do terminal. 

O edifício funcionará com 1,5 níveis operacionais. O procedimento de check-in será realizado no térreo, que funcionará como uma grande praça coberta, com pé-direito triplo e ventilação e iluminação naturais. O embarque doméstico (os vôos para a Ilha do Príncipe) e sala de embarque remoto também estarão localizados neste nível operacional.

O embarque internacional funcionará no pavimento superior, ao qual terá acesso por meio de elevadores, escada fixa e escada rolante. O pavimento superior terá sala de embarque com espaço disponível para lojas e bar, e dará acesso à dois portões servidos por pontes de embarque. Haverá ainda neste nível operacional o terraço panorâmico, com lojas e quiosques comerciais.

Este terraço terá vista também para a praça de acesso da edificação, ou mais especificamente para a praça / saguão de embarque / desembarque.

Sob este pavimento, no térreo, estarão localizados os escritórios de empresas aéreas, escritórios de instituições públicas, praça de processamento de bagagens embarcadas, e a sala de restituição de bagagens.

O acesso a este último setor ocorrerá por meio de elevador e escadas, para passageiros desembarcando a partir de pontes de embarque, e pelo meio-fio de desembarque remoto, para demais passageiros. Neste setor, ocorrem os procedimentos normais de desembarque internacional: controle de passaporte, reencontro com as bagagens, e alfândega, para então os passageiros acessarem ao saguão de desembarque. 

De modo geral, a cobertura desta praça estará apoiada sobre pilares de estrutura mista: concreto + metálicos, de forma cilíndrica, em modulação de 15,00m x 15,00m. O desenho foi concebido com o objetivo de melhor captar águas pluviais, inclusive para reuso não apenas na edificação, mas também em outras edificações e de acordo com as necessidades do sítio aeroportuário.

Plasticamente, o desenho remete à ambiência gerada pela floresta equatorial tão característica do país, presente em grande extensão, e ainda bastante intocada. Trata-se de um patrimônio natural de grande relevância paisagística, e que permeia a imaginação do visitante.

Na concepção geral da coberta foram consideradas ainda as particularidades climáticas de São Tomé e Príncipe. Há grande concentração de precipitação pluviométrica num clima quente e úmido.

Surgiu assim, a necessidade de uma coberta que garanta grandes sombras em todas as fachadas. A solução recaiu sobre a criação de grande beiral, assim como observado na arquitetura da capital São Tomé e também nas roças.